Inquérito concluído pela Polícia Federal em novembro, e enviado ao Ministério Público Federal (MPF), aponta que a facção Primeiro Comando da Capital, o PCC, usou dois membros em dívida com a organização para matar a psicóloga Melissa de Araújo, que trabalhava no presídio federal de Catanduvas (PR).

O crime aconteceu em maio deste ano. A vítima, que recebeu dois tiros no rosto, atuava no presídio desde 2009.

O PCC, que tem ramificação no Amazonas e protagonizou com a facção rival Família do Norte (FDN) os maiores massacres entre presos da história do país em presídios de Manaus e Boa Vista (RR), deu a ordem para que criminosos “suspensos” pelo comando cometessem o crime.

Leia mais no UOL.

 

Foto: Reprodução/UOL