Provável candidato à Presidência, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo que o governo de Michel Temer (PMDB) terá um candidato à Presidência em 2018, mas descartou que o apoio seja dado a Geraldo Alckmin (PSDB).

De acordo com ele, a decisão do PSDB de não apoiar o governo gera consequências no processo eleitoral.

Questionado sobre o discurso de centro que vem sendo construído por Alckmin, Meirelles apontou que não basta apoiar “determinadas reformas”, é preciso apoiar a política econômica atual “com todas as suas medidas e consequências”.

Defensor da reforma da Previdência, Meirelles alega que o apoio deve ser dado a um candidato que tenha como mote as reformas.

“Não há, pelo menos até o momento, um comprometimento do PSDB em defesa dessa série de políticas e do legado de crescimento com compromisso de continuidade”, ressalta o ministro.

 

De olho na Presidência

Na entrevista publicada pelo jornal, nesta segunda-feira (4), o ministro não descarta estar entre os candidatos na corrida presidencial de 2018.

“A minha decisão [sobre sua candidatura] será tomada no final de março”, disse Meirelles, que também afirmou que caso sua decisão seja positiva, defenderá “o legado deste governo, do qual sou parte”.

O ministro falou ainda sobre uma possível chapa com seu nome o de Maia.

“Maia é um quadro político excepcional, tem um futuro enorme e não tenho dúvida de que será um nome extraordinário para qualquer chapa ou posição que optar por disputar”.

Fonte: Congresso em Foco

 

Foto: Agência Brasil