No dia seguinte ao anúncio de Amazonino Mendes (PDT) de que estava cassando decreto que alterou o calendário de pagamento salarial dos servidores do governo, o então governador interino que assinou a medida, o atual presidente da Assembleia Legislativa (ALE-AM), David Almeida (PSD), deu explicações.

Segundo ele, apenas seguiu uma indicação técnica da Secretaria de Administração (Sead) para adaptação ao e-Social, uma ferramenta na internet criada pelo governo federal para colher dados trabalhistas dos estados.

A alteração implantada por David, para vigorar em 2018, jogava o pagamento mensal para até o quinto dia útil do mês subsequente ao trabalhado. Amazonino fez voltar o pagamento para dentro do mês em curso.

O titular da Sead na gestão interina de David, Sílvio Romano, saiu em defesa do ex-chefe.

“O que David Almeida fez foi apenas reduzir esse prazo de uma semana no mês seguinte para o mais próximo possível do fim do mês trabalhado, obedecendo a orientações da Sead”, disse.

Segundo Romano, Amazonino vai ter de fazer essa alteração de data porque é o que vai exigir o e-Social a partir de julho de 2018.

David afirmou que a intenção não foi de prejudicar ninguém “e, ao contrário do que está sendo divulgado, esse benefício é temporário e deverá ser reavaliado mais à frente”, disse.

 

Leia mais

Governo revoga decreto de David e paga servidor dentro do mês

Foto: BNC