Por Rosiene Carvalho, da Redação

 

O clima era de ressaca na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (ALE-AM) nesta quinta-feira, dia 5, um dia após à queda de braço com o governador Amazonino Mendes (PDT) e do constrangimento de dar posse a ele mediante a imposição dos poderes Judiciário e Executivo.

Nenhum discurso abordou o ato solene do dia anterior: a posse do novo governador do Estado. Nem a oposição nem os parlamentares que já demonstraram estar na base do governo.

O presidente da ALE-AM e governador interino até a quarta-feira, David Almeida, anunciou licença de quase duas semanas.

Assim, evitou a expectativa da fala e respostas no dia seguinte ao fim da batalha da posse e aos torpedos que Amazonino ainda soltou nesta quinta-feira contra ele.

Apenas o deputado estadual Donmarques Mendonça (PSDB), que tomou posse da vaga nesta quinta-feira, dia 5, fez menção ao governador recém-empossado. Anunciou, por volta de 10h, que será da base.

Neste momento, o plenário somava apenas cinco deputados presentes. No painel, a informação é que haviam 11 parlamentares na Casa.

A ALE-AM usou nesta quinta-feira parte do Grande Expediente para solenidades de homenagens ao reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Cleinado Costa, e ao médico Jesus Pinheiro.

No início da sessão do reitor da UEA, por volta de 10h30, o número de deputados no plenário reduziu para dois deputados e assessores dos ausentes.

 

Foto: BNC