As ações da Secretaria de Assistência Social (Seas) para acolhimento em Manaus dos venezuelanos da etnia warao renderam ao Governo do Amazonas nesta sexta-feira, dia 12, uma carta de reconhecimento do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur).

Os venezuelanos se refugiam no estado fugindo da grave crise econômica e política do governo de Nicolás Maduro.

A titular da Seas, Auxiliadora Abrantes, representou o governador Amazonino Mendes (PDT) no evento para receber a carta das mãos da representante da Acnur, Isabel Marquez.

“O serviço de acolhimento oferecido pelo estado é uma das melhores práticas que já conhecemos. Atualmente, o Amazonas é uma referência mundial”, disse Isabel.

Segundo ela, o Serviço de Acolhimento Institucional de Adultos e Famílias (Saiaf), da Seas, vai ser usado como modelo para a Acnur orientar outros países.

Auxiliadora disse que o documento reconhece o compromisso da gestão de Amazonino na garantia de condições de vida digna a quem se encontra em situação de vulnerabilidade e risco social.

“Coordenar um serviço que oferece acolhimento a um público de outra cultura é um grande desafio, mas conseguimos construir, com recursos do próprio tesouro estadual, um sistema de assistência social aos warao que coaduna com a Lei do Migrante. Por isso nos tornamos referência”, afirmou a secretária.

Uma cerimônia na Seas marcou a entrega da carta de reconhecimento ao governo. Ao lado de Auxiliadora estava o secretário de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Arthur Lins.

A Sejusc, ao lado das secretarias de Saúde (Susam) e Educação (Seduc), além do Fundo de Promoção Social (FPS) e Centro de Educação Tecnológica do Amazonas (Cetam), integram o grupo de trabalho de ajuda humanitária a imigrantes.

 

Foto: Divulgação/Secom