“O chefe dos balseiros, o que comanda a balsa, escolhe uma das crianças porque, se der confusão, é mais fácil desovar, se livrar do corpo. E a cada uso [ato sexual] é feito um X numa folha de papel. Isso tudo em troca de mantimento, de biscoito, de um quilo de farinha, de um litro de óleo”.

Esse é um dos trechos da palestra em que a cantora Fafá de Belém  emocionou a plateia ao falar sobre os casos de exploração sexual de crianças e adolescentes na Amazônia. Ela fazia referência a crimes praticados em balsas que fazem o transporte de alimentos e mercadorias pelos rios da região.

A artista citou relatos de abusos cometidos contra as meninas em regiões do Pará, como a ilha do Marajó, e a região do baixo rio Amazonas, emocionaram a plateia do Fórum Exploração Sexual Infantil, realizado pela Folha em parceira com a ONG Instituto Liberta e a incorporadora Cyrela. Foi na tarde desta quinta, dia 18, em São Paulo.

Fafá, emocionada, disse que as vítimas estão expostas a violência sexual de toda sorte: dentro da própria casa, em troca de “um sanduíche ou uma roupinha melhor” ou para satisfazer desejos de políticos e autoridades.

Confira na matéria de Fábio Pontes, na Folha.

 

Foto: Reprodução/Keiny Andrade_Folhapress