Mais de 369 mil jovens ingressaram no mercado de trabalho no ano passado pelo programa Aprendizagem Profissional.

Segundo o Ministério do Trabalho, o resultado preliminar de janeiro a novembro de 2017 segue o ritmo de contratações registrados em 2016, quando 386 mil jovens foram admitidos.

O número de 2017, no entanto, corresponde a pouco mais de um terço do potencial de vagas que poderiam ser destinadas para esta modalidade de contratação.

O Ministério do Trabalho explica que ainda é um desafio convencer os empregadores sobre a vantagem de contratar jovens de 14 a 24 anos (na foto, uma evento na cidade baiana de Vitória da Conquista)

Os setores que mais contrataram aprendizes (50,2%) no ano passado foram o comércio e a indústria de transformação.

Cerca de 60% das vagas ocupadas pelos jovens são de auxiliar de escritório e assistente administrativo.

Os homens correspondem a pouco mais da metade (52%) dos contratados em 2017 e os estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro somados concentram os maiores registros de contratação (47,3%).

 

Não é estágio

Desde 2005, quando entrou em vigor, o programa Aprendizagem Profissional, que é diferente do estágio, contratou mais de 3,2 milhões de aprendizes.

Para serem contratados, os jovens devem ter entre 14 e 24 anos e estar matriculados em escola ou curso técnico.

Não há limite de idade para pessoas com deficiência.

Os jovens recebem remuneração proporcional ao número de horas trabalhadas, com base no salário-mínimo e têm direito às garantias trabalhistas previstas na lei.

Fonte: Agência Brasil

 

Foto: Divulgação/PMVC