Por Rosiene Carvalho, da redação

 

O primeiro turno da eleição fora de época para governador do Amazonas representou um gasto de R$ 5,339 milhões só com as campanhas dos sete candidatos que não passaram para o segundo turno da disputa. Destes, Rebecca Garcia (PP) fez, de longe, a campanha mais rica em relação aos demais candidatos e o cabeleireiro Jardel, a mais pobre.

Rebecca gastou três vezes e meio a mais que a soma dos gastos de todos os demais candidatos: José Ricardo (PT), Wilker Barreto (PHS), Luiz Castro (Rede), Marcelo Serafim (PSB),  Liliane Araújo (PPS) e Jardel (PPL).

Com o nome fora das urnas como candidata principal desde 2010, a candidata terminou a disputa em terceiro lugar, conquistando 268.922 votos. Com o apoio do grupo político do governador interino David Almeida (PSD), chegou a assustar a campanha dos dois primeiro colocados no primeiro turno. Rebecca ficou com 18,6% dos votos válidos.

Os candidatos que estão disputando o segundo turno, segundo o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM), não são obrigados a prestar contas neste pleito suplementar no mesmo prazo de quem disputou apenas o primeiro turno, que se encerrou nesta quarta-feira, dia 16.

Enquanto a candidata do PP declarou despesa no primeiro turno de R$ 4.150.620,310, a soma das despesas de todos os demais candidatos, sem contar com os que passaram para o segundo turno, é de R$ 1.188.731,41.

O BNC acessou os dados da prestação de contas dos candidatos que disputaram o primeiro turno por meio do link do Processo Judicial Eleitoral (PJE) no site do TRE-AM.

Os dados deste sistema somam, tanto na arrecadação quanto nos gastos, as despesas estimadas em dinheiro.

Em geral, as despesas estimadas em dinheiro são trabalhos voluntários que também precisam ser declarados na prestação de contas, embora sejam abatidas no final para não dar impressão de sobras ou dívidas de campanha irreais.

No sistema DivulgaCand, que ainda não disponibilizou todos os dados, essas despesas estimadas em dinheiro serão abatidas do total de gastos. Mas, não representam a maior parte das despesas dos candidatos.

 

Recursos próprios

De acordo com os dados do extrato final da prestação de contas disponível no PJE, Rebecca foi a maior doadora de sua campanha.

Dos R$ 4,150 milhões usados no primeiro turno, cerca de R$ 3 milhões foram recursos próprios. A candidata recebeu ainda uma doação de R$ 500 mil de partido (o PJE não identifica a sigla) e conseguiu doações de pessoas físicas que somam R$ 725 mil.

 

Segundo lugar

O candidato do PT na disputa José Ricardo, no ranking dos que mais gastaram (excluindo os dados de Braga e Amazonino ainda não disponíveis), declarou despesa nesse primeiro turno de R$ 508.057,260, bem menos que Rebecca.

O PT repassou R$ 400 mil para o candidato, o que cobriu a maior parte de sua despesa. O candidato também doou para si mesmo R$ 36.910,00, conseguiu angariar R$ 22.300 com um evento e R$ 50.599,73 de doações de pessoas.

 

Terceiro

O presidente da Câmara Municipal de  Manaus, Wilker Barreto (PHS), que ficou com o terceiro pior resultado da disputa para governador do Amazonas, foi o terceiro em gasto nos dados divulgados até agora do primeiro turno.

Wilker informou, segundo os documentos disponíveis no PJE, que gastou R$ 248.148,99. O candidato não fez nenhuma doação de recurso próprio, segundo esses dados.

O maior doador da sua campanha foi o PHS: R$ 193.130. Wilker declarou ainda ter recebido, por meio de doações de pessoas físicas, R$ 55.240,40.

 

Dívida

O candidato Marcelo Serafim (PSB) declarou ter gasto R$ 201.942,70 e arrecadado R$ 133.142,70, considerando as receitas estimadas em dinheiro. Marcelo terminou a campanha em penúltimo lugar e com dívidas.

 

Mais pobre

O candidato Jardel fez a campanha mais pobre. Gastou apenas R$ 3 mil. De acordo com as informações prestadas pelo candidato ao TRE-AM, todos os recursos usados na campanha tiveram origem em doações de pessoas físicas. Do total, R$ 2 mil foram justificados como serviços prestados por terceiros. E R$ 1 mil foram para a produção de programas de rádio, TV e vídeos.

 

Votação anulada

A jornalista e candidata a governadora Liliane Araújo (PPS), que teve os 64.013 votos anulados pela Justiça eleitoral, informou que gastou na campanha R$ 81.593.

A maior parte do dinheiro usado por Liliane na campanha foram de doações de pessoas físicas, segundo a declaração dela ao TRE-AM, sendo que a jornalista doou R$ 3 mil para a sua própria campanha.

 

Rede deu R$ 2 mil

O deputado estadual Luiz Castro (Rede) recebeu menos dinheiro do partido que Liliane Araújo de si mesma. A Rede doou para o candidato apenas R$ 2 mil. Apesar disso, Castro conseguiu por meio de recurso próprio (R$ 39.859,00), doações de pessoas físicas (R$ 85.969) e com evento (R$ 18 mil) angariar recursos para a campanha e declarou ao TRE-AM despesa de R$ 145.944,46.

 

Foto: Divulgação